LEAD TIME - O QUE É E COMO MEDIR?

1. A Fórmula (Lead Time Real): Não existe uma fórmula única. A base de cálculo deverá mensurar a diferença entre a data da encomenda e a data de entrega ao cliente, na sua visão mais clássica. No entanto, deverá ser adaptada se quiser medir etapas mais curtas da cadeia do negócio, bem como, a unidade de medida (horas, dias, meses, etc);

 

2. Objetivos (Lead Time Teórico): Defina objetivos para depois poder exigir resultados. Exemplos: objetivo igual ao nº de dias máximo para entrega de uma encomenda; objetivo igual ao tempo que decorre entre a data da encomenda e data de entrega solicitada pelo cliente. Não se esqueça de formar a sua equipa no conceito;

 

3. Frequência: Nos dias de hoje, olhar para indicadores financeiros mensais já não é suficiente. Nos dias de hoje, a linha que separa o lucro do prejuízo, o entregar dentro ou fora do prazo, é muito ténue. Então, é importante medirmos este indicador com frequência, a maior possível e, com informação em tempo real;

 

4. Ação: Não se iluda. A medição do Lead Time, por si só, não vai resolver os seus problemas. Definidos os objetivos, é fundamental avaliar o indicador (tendo em conta a frequência). Identificar os desvios, as suas causas e definir ações para as resolver;

 

5. Controlo de Stocks: Um dos grandes riscos subjacentes à criação de novos indicadores é o impacto negativo que ele pode criar noutras áreas ou setores da empresa. Tenha sempre em atenção os níveis de stock, porque estes poderão aumentar (defina stocks mínimos e máximos).

Lead Time

A CHAVE DO SUCESSO E ALGUNS EXEMPLOS

 Na IMBS, dedicamo-nos a quantificar e qualificar estas e outras métricas, mas sobretudo, a implementar modelos junto das pessoas que permitam uma atuação direta com resultados mensuráveis em cima dos desvios.

Jelly  © todos os direitos reservados